Bibliotecas do Mundo: Biblioteca do Palácio e Convento de Mafra, Costa de Lisboa, Portugal

O Palácio Nacional de Mafra localiza-se no concelho de Mafra, distrito de Lisboa, em Portugal.

A cerca de 25 quilómetros de Lisboa, constitui-se em um palácio e mosteiro monumental em estilo barroco. Foi iniciado em 1717 por iniciativa de João V de Portugal, em virtude de uma promessa que fizera no caso de a rainha D. Maria Ana de Áustria lhe desse descendência. Classificado como Monumento Nacional em 1910, foi um dos finalistas para uma das Sete Maravilhas de Portugal a 7 de Julho de 2007.

Frente do Palácio e Convento de Mafra

Palácio Nacional de Mafra, Litografia de 1853.

O maior tesouro de Mafra é a sua biblioteca, com chão em mármore, estantes em estilo rococó e uma coleção de mais de 36.000 livros com encadernações em couro gravadas a ouro, graças à ação da Ordem Franciscana, incluindo uma segunda edição de Os Lusíadas de Luís de Camões. Abrange áreas de estudo tão diversificada como a medicina, farmácia, história, geografia e viagens, filosofia e teologia, direito canónico e direito civil, matemática, história natural, sermonária e literatura.

Biblioteca do Palacio e Convento de Mafra

 Situada ao fundo do segundo piso é a estrela do palácio, rivalizando em grandiosidade com a Biblioteca da Abadia de Melk, na Áustria que veremos futuramente aqui no LCC.

A Biblioteca de Mafra foi construída por Manuel Caetano de Sousa e tem 88 m de comprimento, 9.5 de largura e 13 de altura. O magnífico pavimento é revestido de mármore rosa, cinzento e branco. As estantes de madeira estilo rococó, situadas em duas filas laterais, separadas por um varandim contêm milhares de volumes encadernados em couro, testemunhando a extensão do conhecimento ocidental dos séculos XIV ao XIX. Entre eles muitas jóias bibliográficas, como incunábulos. Estes volumes magníficos foram encadernados na oficina local, também por Manuel Caetano de Sousa.

Há tantas Bibliotecas lindas espalhadas pelo mundo, que dá vontade de pegar um avião agora e começar a conhecer todas não acham?

=)

{lang: 'pt-BR'}

Bibliotecas do Mundo: Angélica Biblioteca, Roma, Itália

A Biblioteca Angélica (italiano : Biblioteca Angelica) está em Roma , Itália . É uma biblioteca pública localizada na Piazza Sant’Agostino praça, ao lado da igreja de Sant’Agostino , não muito longe da Piazza Navona .

Frente da Biblioteca Angelica, Roma, Itália (Foto de divulgação)

A biblioteca tem cerca de 180 000 volumes de manuscritos (entre os quais o Codex Angelicus ) e 1 100 incunábulos , que anteriormente pertencia ao Agostinianos . Essas obras são importantes para o conhecimento da história da Reforma e Contra-Reforma .

Salão principal da Biblioteca Angelica (Foto de divulgação)

A biblioteca foi criada em 1604 por Angelo Rocca (1546-1620), e pertencia ao mosteiro agostiniano. Foi a segunda biblioteca em Itália (depois Biblioteca Ambrosiana ), aberto para um serviço público (em 1609).

Parte interna da Biblioteca Angelica (Foto de divulgação)

Desde 1940, a biblioteca passou a abrigar os arquivos da Academia de Arcadia . Desde 1975, a biblioteca está sob a supervisão do Ministério da Cultura .

Fonte: Wikipedia

{lang: 'pt-BR'}

Bibliotecas do Mundo: Herzog August Library, Alemanha

Muitos turistas e cientistas têm apenas um destino em Wolfenbüttel: A Herzog August Library, que foi fundada em 1572.

Frente da Biblioteca (Foto de divulgação)

A biblioteca tem uma das maiores e mais completas coleções de livros antigos no mundo e é especialmente rica em bíblias e livros do período da Reforma.

Parte interna da Biblioteca (Foto de divulgação)

Durante o reinado de Herzog (Duque) a Herzog August Library teve a maior coleção de livros na Europa e foi considerada a oitava maravilha do mundo.

Hoje, ela possui uma coleção de um milhão de volumes, sendo 350.000 do século 15 ao 18.

Detalhes da arquitetura interna (Foto de divulgação)

O tesouro de todos os tesouros da Herzog August Library é sem dúvida o Henry Livro Leão dos Evangelhos, que foi comprado em 1983 em um leilão em Londres por 16 milhões de Euros. É um dos manuscritos mais belos e preciosos da Idade Média.

{lang: 'pt-BR'}

Biblioteca da Abadia de Saint Gall, St. Gallen, Suíça

O Abadia (mosteiro) foi fundado em 613, e foi nomeado em honra de St. Gall (São Galo), santo irlandês, companheiro e discípulo de São Columbano, e que morreu em 646.

Foto: Divulgação

O convento de São Galo (abadia e biblioteca) foi nomeado, em 1983, como Patrimônio Mundial da UNESCO, pela sua importância histórica e civilizacional, desde o momento em que foi construído, no século VIII, até à sua secularização em 1805.

Foto: Divulgação

A sua biblioteca é, de facto, reconhecida como uma das mais ricas e antigas do Mundo, dispondo da maior coleção de livros do início da Idade Média, na parte germânica da Europa. Contém cerca de 160 mil livros, dos quais 2.200 são manuscritos e 500 têm mais de mil anos.

Foto: Divulgação

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência ea Cultura nomeou a biblioteca como Patrimônio Mundial em 1983.

Foto: Divulgação

Linda, não acham? *_*

{lang: 'pt-BR'}

Mosteiro de Strahov – Museu Nacional de Literatura (Praga)

O Mosteiro de Strahov, da Ordem dos Premonstratenses foi fundado em 1143, em Praga na República Tcheca.

Imagem do Blog minhasviagensvia

O conjunto das instalações do mosteiro fica concentrado à volta da Basílica de Nossa Senhora da Assunção – a antiga basílica românica de três naves, que não sobreviveu muito tempo neste formato, sendo reconstruída em estilo gótico depois de um incêndio em 1258.

Dividido em duas salas principais, no interior do Mosteiro Strahov, ficam o Salão Teológico e o Salão Filosófico.

O Salão Teológico é incrível e contém 18.000 textos religiosos. Já no Salão Filosófico você poderá encontrar mais de 42.000 antigos textos, entre eles os filosóficos é claro.

Imagem: Site Curious Expeditions

Imagem: Site Curious Expeditions

Imagem: Site Curious Expeditions

Strahov também contém um bonito gabinete de curiosidades, com coleções de ciências naturais, incluindo pedaços de um pássaro Dodó, extinto desde o século 17.

Além das duas bibliotecas já citadas, o Mosteiro mantém a biblioteca dendrológica ou xilofílica. Esta possui um total de 68 livros fabricados, no ano de 1825, em um tipo de madeira, onde a lombada é feita da casca, com o interior do livro em ramos, folhas e até flores.

Isso sim é uma biblioteca de tirar o fôlego!  Não acham?

{lang: 'pt-BR'}