Resenha: A Culpa é das Estrelas

“Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante – o que lhe dar a promessa de viver mais alguns anos – , o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico.
Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.”

A Culpa é das Estrelas é singelo, comovente e brutal.

Após terminar a leitura, não consegui me concentrar em muita coisa. Só fiquei sentada durante um tempo, olhando para as paredes, para o teto, para o nada… absorvendo a simplicidade de uma história que me prendeu do início ao fim.

O que mais me tocou na escrita deste livro é o modo como o autor trata um assunto tão pesado com tamanha leveza. Trechos de humor e melancolia preenchem essas páginas de uma forma tão completa que nos faz esquecer o mundo a nossa volta.

Nossa protagonista é uma adolescente como qualquer outra, gosta de ficar na internet, ler, passear. Mas ela se diferencia não só por possuir uma doença que a consome dia após dia, mas também por ser engraçada e irônica apesar de enfrentar um câncer que a levará um dia embora para longe de seu pais, amigos e do mundo como ela conhece.

Apesar de aceitar sua morte com bravura, ela se preocupa com seus pais e a forma como enfrentarão sua ausência.

“Só tem uma coisa pior nesse mundo que bater as botas aos dezesseis anos por causa de um câncer: ter um filho que bate as botas por causa de um câncer.” Pág.15

As frases e pensamentos de ‘A Culpa é das Estrelas’ são realmente fantásticos. São tantas citações dignas de destaque que fica difícil escolher. Outra, que gostei muito, e nos faz refletir (ao menos, me fez refletir) foi esta aqui:

“Crianças com câncer são, no fundo, efeitos colaterais da mutação incessante que tornou a diversidade da vida na Terra possível.”Pág.50

Admito que demorei um pouco pra mergulhar nesta leitura, mas confesso que quando mergulhei, me entreguei por completo e de tal forma, que sinto como se conhecesse muito bem cada personagem ao ponto de me ver  sozinha e vazia ao término do livro.

É realmente, “você vai rir, vai chorar e ainda vai querer mais” depois que acabar.

Me desculpem, por não escrever uma resenha muito grande, até talvez, por não usar as palavras certas que expressem o quanto esse livro é bom. Mas, eu continuo com a minha meta de fazer resenhas sem dar spoilers e acabar com a graça de quem ainda não leu.

Espero de verdade, que vocês leiam ‘A Culpa é das Estrelas’, pois cada linha deste livro, na minha humilde opinião, foi pra mim, uma experiência muito boa.

Livro: A Culpa é das Estrelas
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 283

{lang: 'pt-BR'}

Árvores de natal literária!

O Natal está chegando e nós vamos dar algumas dicas de árvores de natal literárias!

Isso mesmo!!! Árvores de natal para ficar com a sua cara! Ou você não é um (a) viciado (a) em livros, heim??? ;)

Veja abaixo alguns modelinhos:

Árvore 01:

Árvore 02:

Árvore 03:

Árvore 04:

Árvore 05:

Árvore 06:

Árvore 07:

Árvore 08:

Árvore 09:

Árvore 10:

Árvore 11:

Árvore 12:

Árvore 13:

Árvore 14:

Árvore 15:

E aí, curtiram?

Então mãos a obra que ainda dá tempo de preparar a sua para o natal!

Até a próxima!

{lang: 'pt-BR'}

Frases de Livros: Winkie

“- Você controla a situação se entender que a existência mortal é um estado de autoilusão e não a realidade do ser.” (Winkie – pág: 52)

“O urso chorou ao se lembrar da cena, e sacudiu a cabeça como quem diz não. Não pelo fato de agora ser

prisioneiro, mas porque na época também era – cheio de esperança, porém, escravo dos caprichos alheios, silencioso e observador, confinado à calorosa família de Ruth, amado, com certeza, mas apenas como um brinquedo e só por algum tempo, sempre desejando mais, mesmo quando recebia atenção, nunca satisfeito, sempre sozinho e com medo de ser rejeitado, traído ou jogado fora” ( Winkie- pág: 100)

“Ah, se as crianças pudessem, criariam histórias bem diferentes para si mesmas!” (Frederic Tuten, Tintin in the New Word) – (Winkie pág: 141)

{lang: 'pt-BR'}

Harry Potter ganha nova edição para colecionador no Brasil

A Editora Rocco anunciou uma edição para colecionador da série Harry Potter de J.K. Rowling. A caixa com os sete livros chega às livrarias em 24 de novembro.

Os volumes têm capa dura, ilustrações inéditas e tradução original de Lia Wyler. O formato é o mesmo das edições anteriores, 14 x 21 cm, e os livros vêm acondicionados em uma caixa colorida.

Harry Potter – Edição de Colecionador custará R$ 449,50.

Fonte: Omelete

{lang: 'pt-BR'}

Bibliotecas do Mundo: Biblioteca do Palácio e Convento de Mafra, Costa de Lisboa, Portugal

O Palácio Nacional de Mafra localiza-se no concelho de Mafra, distrito de Lisboa, em Portugal.

A cerca de 25 quilómetros de Lisboa, constitui-se em um palácio e mosteiro monumental em estilo barroco. Foi iniciado em 1717 por iniciativa de João V de Portugal, em virtude de uma promessa que fizera no caso de a rainha D. Maria Ana de Áustria lhe desse descendência. Classificado como Monumento Nacional em 1910, foi um dos finalistas para uma das Sete Maravilhas de Portugal a 7 de Julho de 2007.

Frente do Palácio e Convento de Mafra

Palácio Nacional de Mafra, Litografia de 1853.

O maior tesouro de Mafra é a sua biblioteca, com chão em mármore, estantes em estilo rococó e uma coleção de mais de 36.000 livros com encadernações em couro gravadas a ouro, graças à ação da Ordem Franciscana, incluindo uma segunda edição de Os Lusíadas de Luís de Camões. Abrange áreas de estudo tão diversificada como a medicina, farmácia, história, geografia e viagens, filosofia e teologia, direito canónico e direito civil, matemática, história natural, sermonária e literatura.

Biblioteca do Palacio e Convento de Mafra

 Situada ao fundo do segundo piso é a estrela do palácio, rivalizando em grandiosidade com a Biblioteca da Abadia de Melk, na Áustria que veremos futuramente aqui no LCC.

A Biblioteca de Mafra foi construída por Manuel Caetano de Sousa e tem 88 m de comprimento, 9.5 de largura e 13 de altura. O magnífico pavimento é revestido de mármore rosa, cinzento e branco. As estantes de madeira estilo rococó, situadas em duas filas laterais, separadas por um varandim contêm milhares de volumes encadernados em couro, testemunhando a extensão do conhecimento ocidental dos séculos XIV ao XIX. Entre eles muitas jóias bibliográficas, como incunábulos. Estes volumes magníficos foram encadernados na oficina local, também por Manuel Caetano de Sousa.

Há tantas Bibliotecas lindas espalhadas pelo mundo, que dá vontade de pegar um avião agora e começar a conhecer todas não acham?

=)

{lang: 'pt-BR'}