Oscar 2013 | Indicados

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulgou a sua lista de indicados ao Oscar 2013. Lincoln lidera a lista com 12 indicações, seguido por As Aventuras de Pi, com 11.

A festa de entrega do prêmios acontecerá em 24 de fevereiro, com apresentação de Seth MacFarlane. Confira as categorias:

Melhor filme

Argo
Django Livre
As Aventuras de Pi
Lincoln
A Hora Mais Escura
Os Miseráveis
O Lado Bom da Vida
Indomável Sonhadora
Amor

Melhor ator

Daniel Day-Lewis – Lincoln
Joaquin Phoenix – O Mestre
Denzel Washington – O Voo
Bradley Cooper – O Lado Bom da Vida
Hugh Jackman – Os Miseráveis

Melhor atriz

Jessica Chastain -A Hora Mais Escura
Naomi Watts – O Impossível
Jennifer Lawrence – O Lado Bom da Vida
Emmanuellle Riva -Amor
Quvenzhané Wallis – Indomável Sonhadora

Melhor ator coadjuvante

Alan Arkin – Argo
Philip Seymour Hoffman – O Mestre
Tommy Lee Jones – Lincoln
Christoph Waltz – Django Livre
Robert De Niro – O Lado Bom da Vida

Melhor atriz coadjuvante

Amy Adams – O Mestre
Sally Field – Lincoln
Anne Hathaway – Os Miseráveis
Helen Hunt – As Sessões
Jacki Weaver – O Lado Bom da Vida

Melhor diretor

Ang Lee – As Aventuras de Pi
Steven Spielberg – Lincoln
Michael Haneke – Amor
David O. Russell – O Lado Bom da Vida
Benh Zeitlin – Indomável Sonhadora

Melhor roteiro

Mark Boal – A Hora Mais Escura
Quentin Tarantino – Django Livre
Michael Haneke – Amor
Wes Anderson, Roman Coppola – Moonrise Kingdon
John Gatins – O Voo

Melhor roteiro adaptado

Chris Terrio – Argo
Lucy Alibar, Benh Zeitlin – Indomável Sonhadora
David Magee – As Aventuras de Pi
Tony Kushner – Lincoln
David O. Russell – O Lado Bom da Vida

Melhor filme em lingua estrangeira

Amor (Áustria)
A Royal Affair (Dinamarca)
Kon-Tiki (Noruega, Reino Unido, Dinamarca)
No(Chile)
War Witch (Canadá)

Melhor longa animado

Valente
Frankenweenie
Detona Ralph
ParaNorman
Piratas Pirados!

Melhor trilha sonora original

Dario Marianelli – Anna Karenina
Alexandre Desplat – Argo
Mychael Danna – As Aventuras de Pi
John Williams – Lincoln
Thomas Newman – 007 – Operação Skyfall

Melhor canção original

“Before My Time” – Chasing Ice
“Everybody Needs A Best Friend” – Ted
“Pi’s Lullaby” – As Aventuras de Pi
“Skyfall”- 007 – Operação Skyfall
“Suddenly” – Os Miseráveis

Melhores efeitos visuais

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
As Aventuras de Pi
Os Vingadores
Prometheus
Branca de Neve e o Caçador

Melhor maquiagem

Hitchcock
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
Os Miseráveis

Melhor fotografia

Anna Karenina
Django Livre
As Aventuras de Pi
Lincoln
007 – Operação Skyfall

Melhor figurino

Anna Karenina
Os Miseráveis
Lincoln
Espelho, Espelho Meu
Branca de Neve e o Caçador

Melhor direção de arte

Anna Karenina
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
Os Miseráveis
As Aventuras de Pi
Lincoln

Melhor documentário

5 Broken Cameras
The Gatekeepers
How to Survive a Plague
The Invisible War
Searching for Sugar Man

Melhor documentário de curta-metragem

Inocente
Kings Point
Mondays at Racine
Open Heart
Redemption

Melhor montagem

Argo
As Aventuras de Pi
Lincoln
O Lado Bom da Vida
A Hora Mais Escura

Melhor curta

Asad
Buzkashi Boys
Curfew
Death of a Shadow (Dood van een Schaduw)
Henry

Melhor curta animado

Adam and Dog
Fresh Guacamole
Head over Heels
Maggie Simpson in “The Longest Daycare”
Paperman

Melhor edição de som

Argo
Django Livre
As Aventuras de Pi
007 – Operação Skyfall
A Hora Mais Escura

Melhor mixagem de som

Argo
Os Miseráveis
As Aventuras de Pi
Lincoln
007 – Operação Skyfall

Site Omelete

 

{lang: 'pt-BR'}

Diretora Julia Murat explora choque entre campo e cidade

A dicotomia campo e cidade nunca se materializa em “Histórias que só existem quando
lembradas”, mas está sempre presente nas entrelinhas desse drama nacional.

Longa ganhou prêmios como o de público no Festival de Cinema Brasileiro de Paris (Foto: Divulgação)

Estreia na ficção da diretora Julia Murat, o filme começou sua carreira numa mostra paralela no Festival de Veneza do ano passado, e desde então passou por diversas mostras pelo mundo. Ganhou prêmios como o de público no Festival de Cinema Brasileiro de Paris, o prêmio ecumênico no Festival de Cartagena e o de melhor filme no Festival de Abu Dhabi.

O embate entre passado e presente materializa-se na questão da memória, já apontada pelo título. As histórias, quando deixam de ser contadas, deixam de existir. A trama, assinada por Julia, Maria Clara Escobar e Felipe Sholl, começa estabelecendo um padrão
de existência para os personagens.

Como na música de Chico Buarque, todo dia a protagonista faz tudo sempre igual. Madalena (Sonia Guedes) prepara o pão que será vendido no armazém de Antonio (Luiz
Serra), que faz o café para eles dois.

No vilarejo onde moram, o cemitério está fechado, pois, há anos, ninguém morre. Assim como a linha do trem que não cumpre sua função, uma vez que nem cargueiro atravessa
o lugar.

O tempo parece estancado e temos dúvida sobre qual tempo é esse. Até a chegada de uma forasteira, Rita (Lisa E. Fávero), jovem que aluga um quarto na casa de Madalena. Como é típico em narrativas sobre campo e cidade, ela é uma estranha que chega para

acabar com a harmonia tácita do lugar. A moça gosta de fotografar — tem uma câmera moderna, mas também usa métodos arcaicos, revelando fotos num latão.

Essa ruptura trará consequências e conflito, tanto para os moradores quanto para Rita. O
elemento estranho não consegue se impor, talvez nem tenha esse interesse e, por fim, acaba assimilando e sendo assimilada pelos costumes locais.

No duelo entre progresso e tradição, nem sempre um dos dois sai ganhando. O melhor resultado é aquele capaz de somar, ao invés de excluir.

Júlia, que é filha da cineasta Lucia Murat (“Uma longa viagem”), tem bom trato com atores e deixa Sonia Guedes dominar a cena.

Porém, às vezes, o filme se mostra estetizado demais, muito meditado para ter imagens
bonitas, e estas parecem mais a causa da existência do longa – e não a consequência, como deveria ser.

Tal qual a chegada de Rita, “Histórias que Só Existem Quando Lembradas” é um filme que causa estranhamentos. Pena que, boa parte do tempo, eles sejam tão claramente premeditados.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

{lang: 'pt-BR'}

‘O palhaço’ lidera indicações ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

O filme “O palhaço” recebeu o maior número de indicações para o 10º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. O longa-metragem dirigido por Selton Mello, que concorre em 13 categorias, é seguido por “O homem do futuro”, com 11 indicações; “Bróder”, com 10; e Bruna Surfistinha, com 9.

Selton Mello (à esq.) e Paulo José contracenam em 'O palhaço', segundo longa-metragem dirigido pelo ator (Foto: Divulgação)

A cerimônia deste ano, que será realizada em data e local ainda indefinidos, vai homenagear o diretor Cacá Diegues, que completa 50 anos de carreira este ano. A votação têm início nesta quinta (27).

Veja a lista completa de indicados no 10º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro:

MELHOR LONGA–METRAGEM DE FICÇÃO

  • “Assalto ao Banco Central”, de Marcos Paulo
  • “Bróder” de Jeferson De
  • “Bruna Surfistinha”, de Marcus Baldini
  • “O hopmem do futuro”, de Cláudio Torres
  • “O palhaço”, de Selton Mello

MELHOR LONGA–METRAGEM DOCUMENTÁRIO

  • “À margem do lixo”, de Evaldo Mocarzel
  • “As canções”, de Eduardo Coutinho
  • “Diário deuma busca”, de Flavia Castro
  • “Lixo extraordinário”, de João Jardim
  • “Quebrando o tabu”, de Fernando Grostein Andrade
  • “Rock Brasília”, de Vladimir Carvalho

MELHOR LONGA–METRAGEM INFANTIL

  • “Palavra cantada 3D – Show brincadeiras musicais”, de Carlos Garcia Magalhães e Marcelo Siqueira
  • “Uma professora muito maluquinha”, de André Alves Pinto e Cesar Rodrigues

MELHOR DIREÇÃO

  • Andrucha Waddington, por “Lope”
  • Cláudio Torres, por “O homem do futuro”
  • Eduardo Coutinho, por “As canções”
  • Jeferson De, por “Bróder”
  • Selton Mello, por “O palhaço”

MELHOR ATRIZ

  • Alinne Moraes, por “O Homem do futuro”
  • Débora Falabella, “Meu país”
  • Deborah Secco, por “Bruna Surfistinha”
  • Leandra Leal, por “Estamos Juntos”
  • Simone Spoladore, por “Elvis e Madona”

MELHOR ATOR

  • Caio Blat, por “Bróder”
  • Cassio Gabus Mendes, por “Bruna surfistinha”
  • Selton Mello, por “O palhaço”
  • Wagner Moura, por “Vips”
  • Wagner Moura, por “O homem do futuro”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Cassia Kiss, por “Bróder”
  • Dira Paes, por “Estamos juntos”
  • Drica Moraes, por “Bruna Surfistinha”
  • Fabiana Karla, por “O palhaço”
  • Fabíula Nascimento, por “Bruna Surfistinha”

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Ailton Graça, por Bróder”
  • Cauã Raymondm por “Estamos juntos”
  • Jonathan Haagensen, por “Bróder”
  • Paulo José, por “O palhaço”
  • Tonico Pereira, por “Assalto ao Banco Central”

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA

  • Adrian Teijido, por “O Palhaço”
  • Gustavo Habda, por “Bróder”
  • Lula carvalho, por “Estamos Juntos”
  • Ricardo Della Rosa, por “Lope”
  • Ricardo Della Rosa, por “O Homem do Futuro”

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • Adrian Cooper, por “Capitães da areia”
  • Alexandre Meyer, por “Assalto ao Banco Central”
  • Carlos Bodelón, César Macarrón e Lilly Kilvert, por “Lope”
  • Claudio Amaral Peixoto, por “O palhaço”
  • Yurika Yamazaki, por “O homem do futuro”

MELHOR FIGURINO

  • Kika Lopes, por “O palhaço”
  • Letícia Barbieri, por “Bruna Surfistinha”
  • Marcelo Pies, por “O homem do futuro”
  • Marjorie Gueller, por “Capitães da areia”
  • Tatiana Hernández, por “Lope”

MELHOR MAQUIAGEM

  • Denise Borro e Marina Beltrão por “Capitães da areia”
  • Gabi Moraes, por “Bruna Surfistinha”
  • Marina Beltrão, por “Elvis e Madona”
  • Marlene Moura e Rubens Libório, por “O palhaço”
  • Martín Macías Trujillo, por “O homem do futuro”

MELHOR EFEITO VISUAL

  • André Kapel, por “Bróder”
  • Cláudio Peralta, por “O Homem do Futuro”
  • Cláudio Peralta e Marcelo Siqueira, por “Lope”
  • Diego Velasco-De Armas, por “Onde Está a Felicidade?”
  • Eduardo Souza E Rodrigo Lima, por “Bruna Surfistinha”

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • André Ristum, Marco Dutra E Octávio Scopelliti, por “Meu país”
  • Bruno Mazzeo, Rosana Ferrão, José Alvarenga Jr. e Marcelo Saback, por “Cilada.com”
  • Cláudio Torres, por “O homem do futuro”
  • Jeferson De e Newton Cannito, por “Bróder”
  • José De Carvalho r Marcelo Laffitte, por “Elvis e Madona”
  • Marcelo Vindicatto E Selton Mello, por “O palhaço”

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • Antonia Pellegrino, Homero Olivetto r José Carvalho, por “Bruna Surfistinha”.
  • Braulio Mantovani, A.C. e Thiago Dottori, A.C. por “Vips”
  • Cecília Amado e Hilton Lacerda, por “Capitães da areia”
  • Domingos Oliveira, por “Todo mundo tem problemas sexuais”
  • Marcelo Rubens Paiva, por “Malu de bicicleta”

MELHOR MONTAGEM FICÇÃO

  • Eduardo Hartung, por “Capitães da areia”
  • Felipe Lacerda, por “Assalto ao Banco Central”
  • Jeferson De e Quito Ribeiro, por “Bróder”
  • Manga Campion e Oswaldo Santana, por “Bruna Surfistinha”
  • Marilia Moraes e Selton Mello, por “O palhaço”

MELHOR MONTAGEM DOCUMENTÁRIO

  • Anna Penteado, Bruna Callegari, Diana Zatz, Felipe Igarashi e Rafael
  • Buosi, por “Mamonas para sempre”
  • Ava Gaitán Rocha, por “Estrada Real da Cachaça”
  • Baú Carvalho E Henrique Dantas, por “Filhos de João, o admirável mundo novo baiano”
  • Jordana Berg, por “As canções”
  • Pedro Kos, por “Lixo extraordinário”
  • Sérgio Azevedo e Vladimir Carvalho, por “Rock Brasília”

MELHOR SOM

  • Alessandro Laroca, Armando Torres Jr E Romeu Quinto, por “Vips”
  • Aloysio Compasso, José Louzeiro E Patrick O’Sulivan, por “Lixo extraordinário”
  • Branko Neskov, George Saldanha E Simone Petrillo ,por “Capitães da areia”
  • George Saldanha, Luiz Adelmo E Paulo Gama, por “O palhaço”
  • Jorge Saldanha, Miriam Biderman, Ricardo Reis E Rodrigo Noronha, por “O Homem do Futuro”

MELHOR TRILHA SONORA

  • Cláudio Kahns a partir da obra dos Mamonas Assassinas, por “Mamonas para sempre”
  • Edu Lobo, por “Não se Preocupe, Nada Vai Dar Certo”
  • Jeferson De e João Marcelo Boscoli, por “Bróder”
  • Lenine, por “Amor?”
  • Vladimir Carvalho, por “Rock Brasília”

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL

  • André Moraes e Chris Pitman, por “Assalto ao Banco Central”
  • Antonio Pinto, por “Vips”
  • Carlinhos Brown, por “Capitães da areia”
  • Dado Villa-Lobos, por “Malu de bicicleta”
  • Plínio Profeta, por “O palhaço”

MELHOR CURTA-METRAGEM FICÇÃO

  • “Contagem”, de Gabriel Martins e Maurílio Martins
  • “Entre muros”, de Adriana Tenório
  • “Máscara negra” de Renê Brasil
  • “Pra eu dormir tranquilo”, de Juliana Rojas
  • “Último dia”, de Christopher Faust

MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

  • “Angeli 24 horas”, de Beth Formaggini
  • “Gigante de papelão”, de Barbara Tavares
  • “Ovos de dinossauro na sala de estar”, de Rafael Urban
  • “Praça Walt Disney”, de Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira
  • “Procurando Madalena”, de Ricardo Sá
  • “A verdadeira história da bailarina de vermelho”, de Alessandra Colassanti e Samir Abujamra

MELHOR CURTA-METRAGEM ANIMAÇÃO

  • “As aventuras de Paulo Bruscki”, dirigido por Gabriel Mascaro
  • “Céu no andar de baixo”, de Leonardo Cata Preta
  • “Céu, inferno e outras partes do corpo”, de Rodrigo John
  • “Engolelogoumajacaentão”, de por Alex Antunes, Guilherme Coutinho, Marão, Tiago
  • “Furicó e Fiofó”, de por Fernando Miller
  • “Sambatown”, de por Cadu Macedo

MELHOR LONGA-METRAGEM ESTRANGEIRO

  • “Cisne negro” (“Black swan”, EUA), de Darren Aronofsky
  • “Um conto chinês” (Un cuento chino”, Argentina / Espanha), de Sebastián Borensztein
  • “Meia-noite em Paris” (“Midnight in Paris”, EUA / Espanha), de Woody Allen
  • “A pele que habito” (“La piel que habito”, Ficção, Espanha), de Pedro Almodóvar
  • “Rio” (“Rio”, Animação, EUA), de Carlos Saldanha

Fonte: G1

{lang: 'pt-BR'}