Resenha: 72 Horas para Morrer (Book Tour)

Sinopse: Pior do que conhecer um Serial Killer, é um Serial Killer conhecer você!

“O Carro pertence à sua namorada.”

Com essas palavras, Júlio Fontana, delegado da pacata cidade de Novo Salto, tem a vida transformada em um inferno. Pessoas próximas começam a ser brutalmente assassinadas, como parte de uma fria e sórdida vingança contra ele. Agora, Júlio terá que descobrir a identidade do responsável por esses crimes bárbaros, antes que sua única filha se torne o próximo nome riscado da lista. 72 Horas para Morrer é uma corrida frenética contra o tempo, que prenderá o leitor do início ao fim.

O livro é brutalmente tenso.

Quando comecei a leitura de 72 Horas para Morrer, achei que seria um livro previsível, mas logo no primeiro capítulo me surpreendi. O autor Ricardo Ragazzo te leva entre as palavras sem que você sinta o tempo transcorrer. O livro é objetivo e cheio de mistérios, além de envolvente e muito angustiante.

As descrições de cenas brutais e de muito terror ficam na mente como se eu estivesse presente na cena do crime.

A estória é recheada de tortura, sangue e morte e o melhor (pra mim…rs) é que o envolvimento durante a leitura é tão grande, que a corrida contra o tempo para chegar ao assassino nos leva a mergulhar dentro das páginas desse livro de tal forma que nos sentimos fazendo parte da trama.

Em muitos livros, torcemos ou buscamos nos identificar, de alguma forma, com algum personagem da estória, mas em 72 Horas para Morrer é bem difícil decidir que rumo tomar. Todos os personagens descritos na trama nos prendem e ao mesmo tempo, no primeiro momento de dúvida, os soltamos fácil. Acredito que isso tenha sido um jogo proposital do autor para deixar o leitor ainda mais confuso e apreensivo durante a leitura.

Não gosto de dizer detalhes do livro nas minhas resenhas, porque acredito que o que mais vale é aguçar a curiosidade, deixando para os leitores a descoberta sobre o desenrolar da estória.

72 Horas para Morrer é o tipo de livro que indico a quem procura sair da mesmice. E posso garantir que o suspense e a expectativa causados pelo autor não decepciona no final.

Fica a dica de leitura pessoal!

Até a próxima!

Livro: 72 Horas para Morrer
Autor: Ricardo Ragazzo
Editora: Novo Século
Ano: 2011
Páginas: 254

{lang: 'pt-BR'}

Resenha: Estado de Graça

Sinopse: A Dra. Marina Singh trabalha para uma empresa norte-americana que financia o desenvolvimento de uma nova droga na Amazônia. À frente da pesquisa está a Dra. Annick Swenson, que descobriu uma tribo isolada na floresta cujas mulheres permanecem férteis por toda a vida e dão à luz filhos saudáveis depois dos 60 anos, graças ao hábito de mascarem a casca de determinada árvore. Um medicamento feito a partir dessa substância significaria a solução para os problemas de fertilidade de mulheres em todo o mundo.

Implacável e intransigente, a Dra. Swenson faz de tudo para proteger sua pesquisa dos olhos ambiciosos da indústria farmacêutica e manter em segredo as informações sobre o progresso com os estudos. Após a morte de um colega de laboratório, Marina é enviada ao Brasil com o objetivo de encontrar respostas. Numa odisseia pela Amazônia infestada de insetos, Estado de graça convida o leitor a desvendar os mistérios guardados no coração da floresta.

Li a sinopse deste livro e logo de cara fiquei interessada na leitura. Admito que também adorei a capa de ‘Estado de Graça’, parece um livro velho e amarelado e a textura é muito gostosa de sentir.

A autora Ann Patchett proporciona ao leitor uma viagem ao coração da Amazônia, ao mesmo tempo instigante e atordoante. Vários mistérios durante a narrativa me deixaram intrigada, mas, infelizmente, enquanto o final do livro se aproximava, comecei a ficar angustiada, pois minhas dúvidas foram crescendo e as repostas foram ficando cada vez mais enigmáticas.

A leitura é muito fácil e simples, mas na minha opinião o livro poderia ter sido um pouquinho mais longo. Acho que algumas coisas passaram batidas durante a estória e muita coisa ficou no “ar”. Sem explicações aprofundadas e com muitas teorias do que pode ter acontecido, ‘Estado de Graça’ é um daqueles livros que deixa o final aberto. Entende? Do tipo que diz pra você assim: – Podem ter acontecido diversas coisas diferentes, e você que fique com a opção de escolher o que acha que aconteceu.

Talvez isso seja um problema meu mesmo, não gosto muito de suposições. Então, por isso o final do livro não me agradou muito.

Mas mesmo assim, Estado de Graça vale a pena! =)

Livro: Estado de Graça
Autora: Ann Patchett
Editora: Intrínseca
Páginas: 304

{lang: 'pt-BR'}

Resenha: Noite Eterna

Sinopse: O aguardado desfecho da Trilogia da Escuridão, do premiado cineasta Guillermo Del Toro em parceria com Chuck Hogan, chega às mãos dos leitores em “Noite Eterna”.

Já se passaram dois anos desde que a epidemia de vampiros se espalhou pelo globo, e agora toda raça humana encontra-se à beira da aniquilação. Enquanto o inverno nuclear cai sobre a Terra e o sol infiltra-se apenas por duas horas a cada dia na atmosfera envenenada do planeta, a noite eterna persiste e o ambiente é perfeito para a propagação da peste. (…)”

Quando terminei de ler o segundo livro – A Queda – fiquei chocada com o final. Pois, simplesmente, queria continuar a leitura e não podia. O livro terminou de uma forma totalmente agoniante que eu precisava saber desesperadamente o que acontecia com os personagens.

Bom, quando finalmente tive em minhas mãos o último livro da trilogia da Escuridão – Noite Eterna – devorei-o rapidamente… quero dizer, li-o rapidamente. =)

O livro dá um pulo de 2 anos na história, o que é muito bom, porque dessa forma, sentimos os efeitos de um futuro devastador, após o surgimento desses seres malignos que se apossaram do planeta.

Todo o lado sombrio e opressor presente nos dois primeiros livros, está ainda pior em ‘Noite Eterna’.

A raça humana foi sobrepujada por uma raça “superior”. Vivemos em um mundo onde somos tratados da mesma forma em que criamos os animais no qual, hoje, nos alimentamos. Toda uma civilização presa para ser utilizada em um único propósito: acabar com a fome da nova raça que caminha sobre esta terra.

Além de toda tristeza e falta de esperança, a resistência humana continua ativa, se mantendo viva, lutando por um futuro em um planeta, que até então, encontra-se devastado.

Vale ressaltar, que o final do livro nos deixa com uma sensação de vazio e descrença de que o livro, realmente, chegou ao fim. Cheguei a cogitar a hipótese, um pouco antes do desfecho final, que talvez houvesse um quarto livro que eu desconhecesse, tamanha a sensação de “não é possível que o final esteja mesmo nessas páginas!” Mas acreditem, o final estava mesmo naquelas páginas…. e mesmo, não sendo o tipo de final que eu esperaria, não fiquei chateada.

A leitura desta série foi maravilhosa. Lia o livro roendo as unhas e sempre apreensiva, querendo saber o que aconteceria nas páginas seguintes.

Espero que vocês também curtam este livro, assim como eu curti!

Ps: Mas não se esqueçam, esse livro trata-se de um 3º volume de uma trilogia. Então, leiam os primeiros dois livros antes de pegar nas mãos o Noite Eterna… ok?

Boa leitura a todos!

Livro: Noite Eterna – Trilogia da Escuridão
Autores: Guillermo Del Toro e Chuck Hogan
Editora: Rocco
Páginas: 414

{lang: 'pt-BR'}

Resenha: Os Coletores

“Um novo amanhã chegou para todos. Graças à milagrosa tecnologia dos artiforgs, você poderá ter acesso a quaisquer órgãos artificiais de que seu corpo precise. Praticamente indestrutíveis, essas pequenas maravilhas de metal e plástico são muito mais confiáveis e eficientes do que os rins falíveis e os pulmões facilmente sujeitos a câncer com que você nasceu – e a Credit Union terá o maior prazer em proporcionar a você um sistema de pagamento viável. Só é importante que, se você cair em inadimplência, um dos dedicados profissionais da companhia lhe fará uma rápida visita, extrairá o produto e o levará de volta imediatamente. Fígado, coração, rim, pulmão, pâncreas, o que seja.”

Os coletores é um livro com uma temática diferente e muito interessante. Imagine viver no futuro onde todos os órgãos poderão ser substituídos por máquinas que duram 200 anos ou mais. E mesmo assim, imagine acabar morrendo por conta de uma simples falta de pagamento? Pois é, se você não pagar o financiamento do seu coração, rim, bexiga etc. infelizmente a cobrança chega sem perdão pelos coletores responsáveis das marcas de seus órgãos adquiridos, e você pagará com a própria vida!

Na história conhecemos mais a fundo a vida de um dos coletores da organização The Union. Desde como ele conseguiu esse emprego ao seu dia a dia arrancando das pessoas aquilo que elas não podem pagar. A narrativa é contada em tempos diferentes, em forma de carta lembrando do passado e voltando ao presente e vice e versa, mas com um texto muito bem estruturado pelo autor Eric Garcia.

A leitura flui fácil e sem enrolação, o que é muito bom pra matar as nossas curiosidades.
O livro Os Coletores é recheado de cenas (na minha cabeça) fortes e de bastante impacto, ao mesmo tempo que é delicado e humano com lições sobre a vida e a morte.

“-Filho – ele disse -, nessa vida você vai trabalhar e se divertir. E quando os últimos dias chegarem, você vai olhar pra trás e descobrir que a vida foi apenas uma infinita sucessão de dias que remontam até a data de hoje. Mas se conseguir descobrir o que deve fazer da vida, aquilo que torna você quem você é, então provavelmente o jogo está vencido. Eu não descobri. A maioria dos homens não descobre. Você também não deve conseguir, mas o importante é tentar e jamais desistir, mesmo quando achar que está tudo acabado. Entendeu, filho?”

Achei interessante, também, o fato do autor pôr no final do livro como durou esse processo de escrita e também o de adaptação do livro para as telonas.

Eu ainda não assisti ao filme, mas logo o farei!

Espero que tenham gostado da resenha!

Até a próxima =)

Livro: Os Coletores
Autor: Eric Garcia
Editora: Suma de Letras
Páginas: 271

{lang: 'pt-BR'}

Resenha: A Hospedeira

“Melanie Stryder se recusa a desaparecer. Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo.

Quando Melanie, um dos humanos “selvagens” que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a “alma” invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente.

Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.”

Basicamente, a sinopse do livro deixa bem claro o conteúdo literário. Mas vou acrescentar o meu ponto de vista mesmo assim…rs. ;)

Eu sou apaixonada por histórias Pós-Apocalípticas, ainda mais se estas ocorrem por invasão alienígena. Por esse motivo digo, que apesar de ser incomum juntar romance com ficção científica, a Hospedeira é um livro que acertou bem no ponto. Nada ficou demais na história, tudo teve seu peso e o equilíbrio da narrativa ficou perfeito.

A história te prende no universo de Melanie e Peregrina, te fazendo pensar como seria ficar presa dentro do seu próprio corpo, sem ter como expressar absolutamente nada ao mundo exterior.  Todos os conflitos de uma sociedade subjugada aos modos de uma nova civilização em um planeta considerado nosso é absolutamente instigante. A luta pela sobrevivência é cansativa e muito perigosa, mas apesar de toda a exaustão de um amanhã incerto, a raça humana mostra a força e a garra pra continuar existindo. Gostaria muito que, se um dia acontece algo do tipo em nosso planeta, pudéssemos lutar com a vontade com que lemos nas histórias e vemos nos filmes. =)

De resto, prefiro que vocês mesmos leiam. Sei que existem pessoas que não gostam da Saga Crepúsculo, isso vai, realmente, do gosto de cada um. Mas, peço para que não tenham preconceitos com o livro “A Hospedeira” por se tratar de uma obra da autora Stephenie Meyer, pois a história é realmente diferente. Através das palavras da autora refletimos, muitas vezes, sobre o que é ou não é ‘ser humano’. Pois isso vai muito além da nossa compreensão.

Ainda mais que, Você nunca sabe quanto tempo vai ter.”

Espero que tenham gostado e boa leitura a todo!

Livro:  A Hospedeira
Autora: Stephenie Meyer
Editora: Intrínseca
Páginas: 557

 

{lang: 'pt-BR'}